O clustering, ou agrupamento, é uma técnica essencial para machine learning e ciência de dados, especialmente relevante em contextos onde a identificação de padrões intrínsecos dentro de conjuntos de dados não rotulados é crucial.

Diferentemente de métodos supervisionados, onde os modelos são treinados com dados rotulados, o clustering pertence à classe dos métodos de aprendizado não supervisionado, onde a estrutura dos dados não é conhecida a priori. Essa abordagem exploratória permite identificar grupos similares de objetos com base em suas características e atributos comuns.

Essa técnica é amplamente utilizada em diversas áreas, incluindo marketing, biologia, reconhecimento de padrões e análise de redes sociais, devido à sua capacidade de descobrir relacionamentos ocultos e tendências que não são imediatamente evidentes.

Para entender melhor o conceito de clustering, como ele funciona e quais são suas principais aplicações, acompanhe este artigo até o fim! 😁

 

O que é Clustering?

Clustering é um método de aprendizado não supervisionado que visa agrupar dados em subconjuntos (clusters), maximizando a similaridade intra-cluster e minimizando a similaridade inter-cluster. Em outras palavras, seu objetivo principal é dividir um conjunto de dados em grupos de tal forma que os dados dentro de cada grupo sejam mais semelhantes entre si do que os dados de outros grupos.

Conforme exemplo abaixo:

 
O que é Clustering - Gráfico

 
As abordagens de clustering podem ser categorizadas em várias metodologias, sendo as mais comuns o clustering hierárquico, o clustering baseado em partições, o clustering baseado em densidade e o clustering baseado em modelos. Cada uma dessas metodologias possui suas próprias vantagens e desvantagens, adequando-se a diferentes tipos de dados e objetivos de análise.

Por exemplo, o algoritmo k-means, um dos mais populares métodos de partição, é eficaz em situações onde os clusters são aproximadamente esféricos e de tamanho semelhante. Por outro lado, métodos como DBSCAN (Density-Based Spatial Clustering of Applications with Noise) são mais apropriados para identificar clusters de formas arbitrárias e são robustos a ruídos e outliers nos dados.

A escolha do algoritmo de clustering depende, portanto, das características dos dados e das necessidades específicas da aplicação.

 

Tipos de Clustering

Existem várias abordagens para a clusterização, cada uma com suas metodologias e aplicações específicas. Neste tópico, exploraremos quatro tipos principais de clustering: baseada em centróides, baseada em densidade, baseada em distribuições e hierárquica.

1. Clusterização Baseada em Centróides

Clusterização baseada em centróides (Centroid-Based Clustering), também conhecida como partitional clustering, agrupa os dados em clusters onde cada cluster é representado pelo centróide, que é o ponto médio do cluster.

➡️ Algoritmo Principal: K-means
O algoritmo começa com a seleção de [math]K[/math] centróides iniciais. Cada ponto de dados é então atribuído ao centróide mais próximo, formando [math]K[/math] clusters. Os centróides são recalculados como a média dos pontos em cada cluster e o processo de atribuição e recalculação continua até que os centróides não mudem mais significativamente.

Entre as principais aplicações estão: segmentação de mercado, compressão de imagens, análise de comportamento do cliente.

Vantagens:

  • Simples de implementar.
  • Escalável para grandes conjuntos de dados.

Desvantagens:

  • Sensível a outliers.
  • Requer que o número de clusters ([math]K[/math]) seja definido previamente.

2. Clusterização Baseada em Densidade

Clusterização baseada em densidade (Density-Based Clustering) forma clusters com base em regiões de alta densidade de pontos de dados, separadas por regiões de baixa densidade.

➡️ Algoritmo Principal DBSCAN:
O DBSCAN (Density-Based Spatial Clustering of Applications with Noise) é um algoritmo de clustering que identifica grupos de dados com base na densidade de pontos. Ele utiliza dois parâmetros: ε (epsilon), que define o raio de vizinhança de um ponto, e MinPts, o número mínimo de pontos necessários para formar um cluster.

Entre as principais aplicações estão: detecção de anomalias, análise de redes sociais, agrupamento de pontos geoespaciais.

Vantagens:

  • Detecta clusters de formas arbitrárias.
  • Robusto a outliers.

Desvantagens:

  • Requer a definição de parâmetros como o raio de busca (eps) e o número mínimo de pontos (minPts).
  • Pode ter desempenho ruim em conjuntos de dados com densidades variáveis.

3. Clusterização Baseada em Distribuições

Clusterização baseada em distribuições (Distribution-Based Clustering) assume que os dados são gerados por uma mistura de distribuições probabilísticas, como a distribuição normal. Cada cluster é representado por uma distribuição.

➡️ Algoritmo Principal: Gaussian Mixture Models (GMM)
GMM assume que os dados são uma combinação de várias distribuições gaussianas. Ele utiliza o algoritmo de Expectation-Maximization (EM) para estimar os parâmetros das distribuições (médias, covariâncias) e as probabilidades de pertencimento dos pontos aos clusters.

Entre as principais aplicações estão: análise de genomas, processamento de sinais, reconhecimento de padrões.

Vantagens:

  • Pode modelar clusters com formas elípticas.
  • Fornece uma medida de incerteza das atribuições dos clusters.

Desvantagens:

  • Requer a especificação do número de clusters.
  • Pode ser sensível a valores iniciais e convergir para mínimos locais.

4. Clusterização Hierárquica

Clusterização hierárquica é uma técnica de agrupamento de dados que organiza os pontos em uma hierarquia de clusters, formando uma estrutura em forma de árvore chamada dendrograma. Existem dois métodos principais: o aglomerativo (bottom-up) e o divisivo (top-down).

No método aglomerativo, cada ponto começa como um cluster individual e, em cada etapa, os clusters mais próximos são mesclados até que todos os pontos estejam em um único cluster. No método divisivo, o processo começa com todos os pontos em um único cluster, que é iterativamente dividido em clusters menores. Essa abordagem permite explorar diferentes níveis de granularidade dos agrupamentos, oferecendo uma visualização detalhada das relações entre os dados.

➡️ Algoritmo Principal: Agglomerative Hierarchical Clustering (AHC)
AHC começa com cada ponto de dados como um cluster individual e, em cada etapa, os clusters mais próximos são combinados até que todos os pontos estejam em um único cluster. Existem várias formas de definir a proximidade entre clusters:

  • Single Linkage: menor distância entre pontos dos clusters.
  • Complete Linkage: maior distância entre pontos dos clusters.
  • Average Linkage: média das distâncias entre todos os pontos dos clusters.
  • Ward’s Method: minimiza o aumento da soma dos quadrados das distâncias dentro dos clusters.

Entre as principais aplicações estão: análise de similaridade de documentos, bioinformática, reconhecimento de padrões.

Vantagens:

  • Não requer a especificação prévia do número de clusters.
  • Permite visualizar a hierarquia dos clusters.

Desvantagens:

  • É computacionalmente caro para grandes conjuntos de dados.
  • A escolha do método de ligação pode afetar significativamente os resultados.

 

Algoritmos de Clustering

Representação dos diferentes tipos de algoritmos. Fonte scikit-learn

 

Aplicações do Clustering

O clustering é uma técnica extremamente versátil com aplicações em diversas áreas. Vamos explorar algumas das mais comuns:

1. Segmentação de Clientes

No marketing, o clustering é usado para segmentar clientes com base em características como comportamento de compra, preferências e demografia. Isso permite que as empresas personalizem campanhas de marketing e ofertas de produtos, aumentando a eficácia e a satisfação do cliente.

2. Análise de Imagens

Em visão computacional, o clustering pode ser utilizado para segmentação de imagens, onde cada cluster representa uma região distinta da imagem. Isso é particularmente útil em aplicações de reconhecimento de objetos e análise médica.

3. Análise de Texto

No processamento de linguagem natural, o clustering é empregado para agrupar documentos semelhantes, facilitando a organização e a recuperação de informações. Isso é essencial para motores de busca e sistemas de recomendação.

4. Detecção de Anomalias

O clustering pode ajudar a identificar padrões anômalos em dados, como fraudes financeiras ou defeitos de fabricação. Ao agrupar dados normais, pontos que não se encaixam em nenhum cluster podem ser considerados anomalias.

 

Vantagens e Desvantagens do Clustering

Como qualquer técnica de machine learning, o clustering possui suas vantagens e desvantagens. É crucial entender esses aspectos para aplicar a técnica de forma eficaz.

Vantagens

  • Versatilidade: Pode ser aplicado a uma ampla gama de problemas.
  • Simplicidade: Algoritmos como K-means são fáceis de entender e implementar.
  • Eficiência: Algoritmos particionais são rápidos e escaláveis.

Desvantagens

  • Definição de Parâmetros: Algoritmos como K-means requerem a definição do número de clusters, o que pode não ser trivial.
  • Sensibilidade a Outliers: Algoritmos como K-means podem ser sensíveis a pontos de dados atípicos.
  • Forma dos Clusters: Algoritmos baseados em centroides assumem clusters de forma esférica, o que pode não ser realista para todos os conjuntos de dados.

 

Considerações Finais

O clustering é uma ferramenta poderosa no arsenal de um cientista de dados. Compreender os diferentes tipos de algoritmos e suas aplicações pode ajudar a resolver uma ampla gama de problemas, desde a segmentação de clientes até a detecção de anomalias. No entanto, é fundamental escolher o algoritmo certo e ajustar os parâmetros de acordo com os dados específicos para obter os melhores resultados.

Estudos como o “Anomaly detection: A survey” de Chandola, Banerjee e Kumar (2009) oferecem uma visão abrangente e crítica das diversas técnicas de clustering, suas aplicações e limitações, sendo leituras recomendadas para quem deseja aprofundar seus conhecimentos na área.

Por fim, a aplicação de clustering deve ser acompanhada por uma análise cuidadosa dos resultados, garantindo que os clusters identificados realmente façam sentido no contexto do problema em questão. Somente assim é possível tirar o máximo proveito desta técnica e transformar dados brutos em insights valiosos.

Gostou do artigo? Então deixa um comentário e compartilha nas redes sociais. Quer trocar uma ideia pelo LinkeIN? Me adiciona lá!

Categorized in:

Machine Learning,

Last Update: junho 11, 2024